Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

domingo, 3 de abril de 2011

Cacografias

Foto: José Alves



O país declina
O país definha
A planície floresce.

Ai a neblina
Que se amofina...
O país fenece!

Ana


Foto: José Alves


7 comentários:

Non je ne regrette rien: Ediney Santana disse...

o país são dos outros e as dores são nossas

Sonhadora disse...

Minha querida

uma verdade...o País fenece, mas pelo contrário o nosso Alentejo deve estar lindo.
Estou "roubando"o rosmaninho...sabes que ao ver a imagem, deu para sentir o cheiro, porque o meu Alentejo é feito de cheiros.

deixo um beijinho carinhoso
Sonhadora

Andradarte disse...

A Natureza deu-nos tanta coisa bela:::!!!
Seria para nos aliviar das 'dores'...
Beijo

JPD disse...

Poema muito simples
Seguro
Certeiro na mensagem
Perfeito.
A ilustração está adequadíssima.
Bjs, Ana

Jefhcardoso disse...

Ana, essa relação com o país é algo muito íntima. Meu avô era português, como já devo ter lhe dito. Tenho um carinho muito grande por Portugal. Que essa terra renasça e floresça a cada manhã, eternamente. Um grande abraço e muito obrigado por seu generoso comentário em meu blog!

Bipede Implume disse...

Querida Aninha
Apesar de tantos erros e mesmo apesar disso, Portugal é tão bonito. Podíamos ser todos a torná-lo ainda melhor, mas alguns não querem. É de loucos.
Hoje em Lisboa o termómetro chegou aos 29º. Calorzinho bom.
Beijinhos e boa semana.
Isabel

Cristina disse...

O primaveira esta bem la!
Bom fim de semana, beijinhos,Ana.