Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

sábado, 7 de junho de 2014

Nunca te esqueças de Kalavrita

Leopold Survage

Que a memória dos homens não tenha a fugacidade destes tempos. Que a História regresse, matéria construtora de um futuro mais humano e justo. 
Na inquietação dos momentos que vivemos, o imediato e o descartável têm a rota do abismo. Mesmo nas mentes mais ternas existem vazios imensos sobre o nosso passado recente. Kalavrita traz-nos a lição necessária, hoje mais do que nunca.
Como foi possível?
Kalavrita, a trágica metáfora.





10 comentários:

Rogerio G. V. Pereira disse...

Na ignorância não há esquecimento, e não sei o que é pior: se esquecer, se não saber

Eu não sabia

São disse...

Ainda hoje, ao almoço, uma amiga minha me veio dizer compreender agora porque motivo eu acho injusto que só lembremos os judeus , como se outras vítimas não houvessem do nazismo. E também porque me choca o silêncio do auto-afirmado "povo eleito" sobre os milhões e milhões de pessoas assassinadas durante a Segunda Guerra.

Está a ler sobre o genocídio arménio, que ainda hoje a Turquia nega e espanta-se como é possível ninguém recordar aquela tragédia.

Desgraçadamente, minha amiga, existem muitas Kalavritas...

Abraço fraterno, Ana

Eduardo Maria Nunes disse...

Por que não quer ou a não entende!
alguém não gostou da correcta decisão
contra quem protesta descontente
muito bem vinda seja a reposição...

Um beijo e bom domingo para você amiga Ana.

Nilson Barcelli disse...

Uma marca terrível deixada pelos Nazis, num massacre que convém não cair no esquecimento.
Um bom domingo e uma boa semana.
Beijo, querida amiga Ana.

Ana Tapadas disse...

Sendo o meu blogue lido por muitos estudantes, de vez em quando eu tenho o dever...

Beijos amigos (em tempo de pré-exames visito-vos mais devagar, mas lá marcarei presença!)

heretico disse...

para que a Memoria não se apague! boas causas - as tuas.

beijo

heretico disse...

para que a Memoria não se apague! boas causas - as tuas.

beijo

M D Roque disse...

Para que a terra não esqueça, a memória impõe-se firme.
Excelente.
Abraço.D

http://acontarvindodoceu.blogspot.pt

Fê blue bird disse...

Não sabia desta tragédia, admito a minha ignorância.
Contigo amiga aprendo sempre mais. Obrigada!

beijinho

. intemporal . disse...

.

.

. por uma causa mayor .

.

. um franco beijinho .

.

.