Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

domingo, 13 de março de 2016

Tempos

V. Kush, Dionysius Theater


Incólumes passamos
Entre os dedos imensos
Do Criador...
Somos ainda a quietude
Cristalina e o incenso 
Do Amor.


Ana



13 comentários:

O Puma disse...

"Oremos"

Rogerio G. V. Pereira disse...

Incólumes todos
mesmo os não amantes
mesmo os não amados

Graça Pires disse...

E o Criador deixa-nos passar incólumes?
Um beijo, Ana

© Piedade Araújo Sol disse...

quase uma oração...
um beijo
:)

CÉU disse...

DEUS é amor, bondade, perfeição, enfim, Misericórdia.
agradeço a tua visita, palavras e votos.
beijos, Ana.

As Mulheres 4estacoes disse...

Aos olhos de Deus, ainda somos incenso do amor.
Abraço,
Sônia

Fê blue bird disse...

Adorava tanto que assim fosse minha amiga.

Um beijinho

Carmem Grinheiro disse...

Olá, Ana.
Poema bem conseguido, bonito, como arte.
Mas, não sei passamos "incólumes", não sei.
Gostava que assim fosse.
bj amg

São disse...

Que o Grande Espírito nos ilumine!

Beijos, Aninhas

Olinda Melo disse...


Sim, que esse Incenso perfume os nossos pensamentos e obras,
não nos omitindo do nosso sentido do dever.

Um bom fim de semana, querida Ana.

Bj

Olinda

Majo disse...

~ ~ ~
~~~ Haverá entre nós,

mais Amor e Paz Profunda

~ do que nos Olimpos?!

~~~ Beijinhos, Ana.

Daniel C.da Silva (Lobinho) disse...

Singelo!

Gostei muito!

Vieira Calado disse...

Curto e insisivo.
Gostei.
Saudações poéticas!