Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

sexta-feira, 4 de novembro de 2016

Cinza

Juarez Machado



Sobre a cinza dos dias...é o tempo que voa, em ruínas.





7 comentários:

Edumanes disse...

Explosões contínuas,
sobre a cinza dos dias
subterradas em ruínas
o terror destrói alegrias!

Boa noite e bom fim de semana, amiga Ana, um bjo,
Eduardo,

Rogerio G. V. Pereira disse...

Deixa
Um dia o tempo pousa
e será a Fénix
que voa

As ruínas?
Iremos reconstrui-las !

Mar Arável disse...

As palavras podem ser mais leves
que as cinzas

Majo Dutra disse...

Como voa, estimada amiga!
Porém, é bom recordar a subjectividade do tempo
e querer que ele seja mais longo...
Beijinhos
~~~~
Ps
Nunca consegui comunicar pelo teu endereço eletrónico...
Se quiseres inscrever-te no meu G+, eu reservo-o apenas
a amigos.

Graça Pires disse...

Debaixo das ruínas, das cinzas, tanto sangue inocente...
Uma boa semana, Ana.
Beijos.

mixtu disse...

o tempo de cinzas, logo de renascer :)

© Piedade Araújo Sol disse...

uma frase muito a propósito...

beijinho

:)