Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

sexta-feira, 14 de fevereiro de 2020

Para ti






Vladimir Kush


Da minha mão, nasceu o poema
eterno como a luz, rápido como o vento.
No sossego da palavra, crio o alento
da verdade pura, que tornei em lema.

No céu distante, mais além de Deus,
uma alma pura de paz se incendeia
na escuridão dos passos, fio de candeia,
abraço a tua alma e os carinhos teus.

E na rocha imensa, com orvalho puro,
teu nome de amor, tão terno e tão duro,
vai aquecer no mundo, a minha alma triste

porque no Amor, só Amor criado
esquecerá no templo, junto ao ser amado,
a voz da Razão, o Destino em riste!


José M. T. Alves 


O blogue, hoje, abre-vos uma excepção. Apresenta-vos o meu marido/alma gémea de décadas. Mas...não foi a primeira vez que aqui o trouxe!

https://raraavisinterris.blogspot.com/2009/08/nao-te-quero-senao-porque-te-quero.html




8 comentários:

Edumanes disse...

Para ti não minto,
para ti sou sincero
do que ainda espero
de mim ausente sinto!

Gostei de ler esse belo poema amiga Ana, bom fim de semana. Beijinhos.

Rogério G.V. Pereira disse...

Caso dominasse o soneto
Podia ter sido eu a escreve-lo

Por perfeita sintonia
no conteúdo e na rima

Reflexos Espelhando Espalhando Amig disse...

Ana,
Bravissimo!
Bjins de
bom fim de semana.
CatiahoAlc.

Graça Pires disse...

Um soneto de amor de José M. T. Alves, poeta que desconheço, mas gostei imenso. E quem não gosta de um poema de amor feito com delicadeza e sabedoria?
Um bom fim de semana, Ana.
Um beijo.

alfacinha disse...

Um poema lindo no dia dos namorados
bjs

Elvira Carvalho disse...

José M. T. Alves. Nunca tinha ouvido falar do poeta mas gostei deste soneto. Espero que não seja filho único e que ainda possamos conhecer outros poemas do autor.
Um abraço e uma boa semana

O Puma disse...

Bela poesia a 4 mãos

Sam Seaborn disse...

A arte está na família… pois também ele pinta as palavras… e que bela a escolha da tela para acompanhar.

Beijinhos