Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

terça-feira, 4 de novembro de 2008

Real?


el vendedor de alcatraces

Este sonho perturbado
Agitando o reflexo,
Filtrando a imagem...
Esta doçura e medo
De uma súbita viragem.
Os objectos primários
Que não enchem a alma,
Mas destroem uma íntima paisagem...
A espreitar o quente desejo,
Recomeçando.
Procuro e encontro
Na ideologia humana
O eco profano que não ressoa.

Ana

6 comentários:

Bipede Implume disse...

Poema e quadro muito belos.
Diego Rivera e imediatamente surge a imagem de Frida Kahlo e a sua vida trágica.
Amiga, o jardim é também para mim uma espécie de retemperador de alma.
Estamos atravessar tempos muito difíceis, mas creio que os professores, têm uma dose suplementar.
Mesmo assim consegues ser como dizia Jorge de Sena: "uma pequenina luz bruxuleante"
Beijinho.

EternaApaixonada disse...

*****
Querida Ana,

Um poema que faz pensar...
Gostei!
Beijos e ótima quinta.

*****

Juℓi Ribeiro disse...

Anna:

Maravilhoso poema!
Linda imagem!
Um encanto...
Beijo,

EternaApaixonada disse...

*****

Um mimo para esta noite:

O AMOR

É difícil para os indecisos.
É assustador para os medrosos.
Avassalador para os apaixonados!
Mas, os vencedores no amor
são os fortes.
Os que sabem o que querem
e querem o que têm!
Sonhar um sonho a dois,
e nunca desistir da busca de ser feliz,
é para poucos!!!

© Cecília Meireles

Tenha uma linda noite! Doces sonhos!
Beijos

Helô

*****

Bipede Implume disse...

Passo para deixar-te o bocadinho de carinho e desejo que os teus "trabalhos" sejam mais leves, ou que o teu espírito se torne mais forte.
As melhoras da tua mãe.
Um bom fim de semana e beijinhos.

La Delirante disse...

Beautiful poem Anna.

This bit left me thinking a lot: "Os objectos primários
Que não enchem a alma,
Mas destroem uma íntima paisagem..."

You know? I have that poster in my living room :) "El vendedor de alcatraces" Beautiful