Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

quinta-feira, 18 de junho de 2009

A tomada de posse do Director

fonte: Wikimedia

Fazer do olhar o gume certo,
atravessar a água corrompida,
no avesso da sombra soletrar
o rosto ardido de sede antiga.

Eugénio de Andrade



7 comentários:

La Delirante disse...

How interesting! I hadn't heard of Eugenio de Andrade ever! I googled him and found his interesting biography (very short though) and a translated poem of his.

The link:

http://en.wikipedia.org/wiki/Eug%C3%A9nio_de_Andrade

comboio turbulento disse...

a quantas tomadas de posse tenho eu ido!!

Bipede Implume disse...

Mudei, em casa, para um local mais fresco, infelizmente, o "meu tão certo secretário" (Pc) não gostou muito e está leeeento. Parece que estou a blogar em câmara lenta.
Eugénio de Andrade que podia chamar-se só de Génio.
A fotografia é muito sugestiva.
Beijinhos, amiga.

Cristina disse...

Fabuleux et innoubliable Poète.
Bom fim de semana, beijinhos.

Sara disse...

Nem sei bem o que esperar.
Boas férias! Beijinho

Janaina Amado disse...

Vc. deixou de ser a diretora, é isto? :-)
Deixei no acreditando a lista de blogs indicados para o prêmio, muito obrigada!

Victor Colonna disse...

Ana,
Lindo o poema de Eugênio de Andrade!Seguem aí dois pequenos poemas meus!


MEIO A MEIO (Victor Colonna)


Eu me encontro dividido
Entre amor e solidão
Metade, amores idos
Metade, amores vãos.


EM ATRASO (Victor Colonna)


O tempo se divide rapidamente:
O futuro me passa para trás
E só resta o passado pela frente.
A vida exige minha presença
E eu respondo:
Ausente!