Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

sexta-feira, 23 de abril de 2010

Projecto





Alma Tadema


Com as cores profanas,
Com os fulgores fugazes
Da minha imaginação
Penetro nos sonhos falazes,
Nas verdades subtis e insanas
Da tua alucinação...






Alma Tadema


Espírito impuro que me ditas
Os domínios sacros da tua posse
Nos sulcos pudicos da tua face!
Tu que me sonhas e meditas
Nesse paradoxal impasse
Entre o projecto terrível e «fosse».





Alma Tadema



Fosse o sonho da tua miséria...
Homem, sorriso e fel e veneno!
Fosse a ternura que recusas e pensas!
Olha, no olhar da vida, a tinta etérea
Do profano falar tão pequeno...
A ditar-te verdades e crenças.

Ana





Alma Tadema


Obrigada, Cesc, pela galeria de Alma Tadema.




Alma Tadema



10 comentários:

Antoniatenea disse...

Preciosa belleza de palabras...y preciosas imágenes...tan exquisitas...!!!
Te he publicado tu blog en mi facebook para darle más difusión. Hay muchos amigosde Portugal allí míos.
Besos, profesora!

Bipede Implume disse...

Querida Aninha
Não conhecia este pintor.
O poema fazendo a ponte com as imagens. Etérea beleza.
Bom fim de semana com muita paz.
beijinhos.
Isabel

Gerana Damulakis disse...

Está um SONHO: os poemas, as imagens. Vou voltar para desfrutar mais, lerei tudo de novo.

Sara disse...

Sempre inspirador este blog!
E respondendo à sua pergunta, a escrita é obsessiva, mas também tem uma pontinha de real.
Beijinhos

Karin disse...

Lindo!

Fernando Campanella disse...

Poema e fotos fazem um belo quadro onírico, com tintas aéreas que tecemos,imaginamos, o que passa no outro, o eterno enigma da alteridade.
Bjinhos, minha querida amiga.

Sonhadora disse...

Minha querida
Belíssimo poema e belas imagens, em sincronia perfeita.
Lindo.

Beijinhos
Sonhadora

Renata Luciana disse...

Obrigada Ana

por trazeres Arte a atravessar o tempo e os mares.

Beijos,

rita disse...

Sempre com poemas bonitos :)
Beijinho

Ricardo Cardoso disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.