Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

terça-feira, 13 de julho de 2010

Europa: mito e realidade

 Europa: mito e realidade



«A princesa Europa nasceu no mediterrâneo e era filha de Agenor o rei fenício de Sídon, segundo os mitos gerados nas cidades que se levantam de um lado e do outro do Mar Egeu. Zeus, o deus dos deuses, tinha-se apaixonado loucamente por ela. Certo dia, a princesa passeava na praia com as suas companheiras, quando Zeus tomou a forma de um touro branco e, mansamente, se veio deitar a seus pés. Europa acariciou primeiro o animal e, depois, deixou-se subir para o seu dorso. Nesse momento, o touro levantou-se impetuosamente e cavalgando as ondas do mediterrâneo foi depositá-la debaixo de um plátano, na ilha de Creta,

mar de Creta - 2008

ilha onde Zeus tinha passado a infância. Diz o poeta Mosco de Alexandria, que Europa, rainha de Creta, foi “mãe de filhos gloriosos cujos ceptros hão-de acabar por dominar todos os homens da terra”. Este quadro da filha do rei fenício raptada por um touro, divindade cretense mas igualmente de fenícios e arameus, não fica completo sem uma referência ao sonho da bela princesa. 


 Knossos - 2008


Europa tinha tido um pesadelo perturbante no dia anterior ao rapto, no qual duas mulheres exigiam a autoridade sobre ela, uma delas representava a Ásia e declarava ser sua mãe; a outra que simbolizava um continente desconhecido (América), afirmava que Europa lhe tinha sido dada por Zeus.


 Creta - 2008

Nos mitos gerados no mar egeu, Europa é, deste modo, o nome que se deu a um novo continente que tem a Ásia por mãe. Sabemos hoje, através da arqueologia, que a civilização europeia viajou no mediterrâneo na proa dos barcos fenícios, e Creta é o seu primeiro pólo, mas que esta civilização  se desenvolveu  como resultado das ligações terrestres que uniram a Europa à Ásia através da actual Turquia.


 Heraklion - 2008

Se a civilização europeia nasceu na fenícia, é através de Ulisses que vem até ao ocidente mediterrânico, e até ao território actualmente português, trazida pelas diásporas fenícias, cartaginenses e romanas».


(Adaptado de http://www.umoderna.pt/tejo/turquia/re.htm)



(Quem me dera voltar a Creta! )

9 comentários:

Cristina disse...

Ola, Ana, j'arrive seulement le 19 août au Portugal!!!
Bisous.

Andradarte disse...

Ainda está a tempo....Quando a
reforma chegar, tem muito a viajar..
Já as minhas perspectivas, não são grandes.
Beijo

Bipede Implume disse...

Querida Aninha
Que belas fotografias e que narrativa tão empolgante.
Não conheço Creta mas estou contigo. Quem me dera lá ir.
Beijinho e para quando as férias?
Mais beijinhos
Isabel

Gerana Damulakis disse...

Creta está em tudo (bom, essa é a minha visão, pois em Creta nasceu meu avô).

Ana Tapadas disse...

E já não consigo falar de Creta sem pensar em ti, minha amiga!
Bjs

Luma Rosa disse...

Adoro essas histórias antigas! Lá em Creta tinha algum "monstro"? (rs*) Por que sempre existe o belo e o profano, não é? Beijus,

Bipede Implume disse...

Querida Aninha
Beijinho de bom fim de semana.
Há quem vá para o Sul. Eu vou para Oeste. Fugir deste calor.
Beijinhos
Isabel

ETERNA APAIXONADA disse...

Sempre um grande prazer chegar aqui, querida amiga do coração!
Que esteja bem, descansando nas férias e claro, buscando inspirações que tanto nos encantam!
Claro que voltará à Creta! E a vários lugares que bem gosta!... Você merece!
Deixo meu carinho e um beijo, além de um convite para buscar um prêmio, no meu blog MIMINHOS RECEBIDOS E DADOS ;)
É o Selo “ESTE BLOGUE AQUECE-ME O CORAÇÃO”.

Tenha um lindo fim de semana, minha querida!

Nilson Barcelli disse...

Conheço outras ilhas, mas não conheço Creta.
A mitologia tem histórias interessantes, tal como esta.
Querida amiga, bom fim de semana.
Beijos.