Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

sábado, 10 de julho de 2010

Variação e mudança

CESC GINESTA


Variação e mudança são dois princípios basilares da Língua. A Língua é o veículo privilegiado da Cultura.
Não, meus amigos, não estou a começar mais uma das minhas aulas. Agora, os meus alunos estão de férias e gozam o merecido descanso de quem cumpriu o seu dever e, uma vez mais, não me desiludiu nas provas nacionais.  Andei, por conta destas, muito afastada do RARA AVIS. Ontem, saturada de calor e de sol, galguei os cem quilómetros que me separam da fronteira, recarreguei baterias varando a planície tisnada e madura e entrando em Espanha. 
Gosto de Espanha? Sou ibérica. A diversidade cultural fascina-me. Extremenhas que falam gritando e eu tão pouco de gritos; cores garridas e os tons safari do meu vestuário estival...Hispânia antiga, diversa de nacionalidades, de povos, culturas e Línguas!
Ideia abstracta - no dizer de Unamuno - esta Espanha que vai impondo o castelhano como falar comum. O castelhano a que, por contaminação, se chama espanhol. No campo da Linguística não conheço nenhuma Língua com esse nome redutor. Conheço o castelhano, Língua bela e vigorosa, que tão bem expressa a Teologia, a Filosofia, a Prosa e a Poesia.
Com decepção olhei os jornais expostos: a carta linguística da Catalunha maltratada; as bandeiras de Espanha contadas a 70% nas janelas de Barcelona  - a propósito do «mundial de futebol»; os títulos irónicos e as conclusões apressadas.
Percebi que hoje teria um «post» maior do que de costume e que deveria abdicar da minha brincadeira com as palavras para ser mais objectiva.
A riqueza maior da Hispânia é essa maravilhosa variedade linguística e a  mancha multicultural. Num tempo em que, todos os dias desaparecem Línguas nativas do planeta, urge denunciar a prepotência obscurantista. Sei bem das implicações que uma Língua tem na unificação de um país, sei bem do poder económico da Catalunha, sei bem porque não se fazem manchetes com o Galego... mas, pensar que se pode apagar uma Língua por causa de outros incómodos é um perigo latente de conflitualidade.
Lembrei-me, então, da beleza poética  de um «mail» que um meu amigo catalão me mandara. Como apagar esta LLENGUA?



La meva llengua
 
*No em preguntis per què, però l’estimo
de cor la meva llengua;
no ho preguntis en va, sols puc respondre’t:
“L’estimo perquè sí, perquè és la meva”.

L’estimo perquè sí; perquè eixa parla
és la parla mateixa
que al son d’una non-non la més hermosa
bressa amorosament ma son primera.

L’estimo de tot cor, per catalana,
l’estimo perquè en ella
la rondalla primera em contà l’àvia
un capvespre d’estiu mentre el sol queia.
 
L’estimo de tot cor, perquè en descloure’s
l’exquisida ponzella
de mos vint anys, aquell sublim “t’estimo”
va dictar-me l’amor en eixa llengua.

L’estimo de tot cor, perquè la parlen
els meus amics de sempre,
els que ploren amb mi i els que amb mi riuen,
els que em criden avant! i avant m’empenyen.

L’estimo de tot cor, perquè cigales,
i espigues i roselles,
i els rossinyols i el mar i el cel i l’aire
sos grans secrets en català em revelen.
 
L’estimo de tot cor, perquè no en trobo
de més franca i més bella...
I em preguntes per què? I això em preguntes?
L’estimo perquè sí, perquè és la meva.
  Apel.les Mestres


Obrigada, Cesc!

http://www.unesco.org/culture/ich/index.php?pg=00206
(Atlas Linguístico - segundo a UNESCO desaparecem catorze Línguas por dia)

8 comentários:

Andradarte disse...

Eu vi as manifestações na televisão....
Aquilo está feio, não vai acabar
tão depressa e oxalá haja entendimento,
o que não me parece..........
Beijo

Gerana Damulakis disse...

Assunto da alçada de minha filha.
Eu só quero dizer o quanto sinto que uma língua possa desaparecer e, egoisticamente, pensei que a nossa está mais do que forte. E como é bonito constatar que num país imenso como o Brasil, todos (todos mesmo, somos 200 milhões de habitantes) falem a mesmíssima língua. Quando eu dizia isso para meus colegas espanhóis (quando morei em Madrid), eles ficavam admirados.

s. disse...

Belo, belo este post... Dar-lhe razão torna-se cada vez mais imperativo à medida que vou lendo as suas palavras.
Beijinhos

Sofia Carvalho disse...

Ana, fico contente que já conheças o Quito. Realmente gostei muito de trabalhar com ele. Ele é uma pessoa incansável;)
Realmente, não se pode deixar morrer apagar esta LLENGUA. Beijinhos querida;)

Sonhadora disse...

Minha querida Ana

Um texto muito actual...elucidativo, vamos ver no que vai dar.
Obrigada pela visita, já tinha saudades.

Beijinhos com carinho
Sonhadora

Fernando Santos (Chana) disse...

Olá Ana, belo post...Espectacular....
Cumprimentos

Luma Rosa disse...

Acessei o mapa interativo e percebi o número imenso de línguas faladas no Brasil. Fiquei impressionada! Nos esquecemos dos nossos antepassados que não falavam o português. Aliás, uma pessoa ligada à FIFA reclamou em cadeia nacional, porque aqui se diz falar o português e não o "brasileiro". Como existe gente estúpida no mundo!! Beijus,

Gerana Damulakis disse...

Luma Rosa: no Brasil só se fala uma língua, sequer há dialetos, todos falam exatamente a mesma língua.
Concordo com você, foi uma estupidez o cara da FIFA dizer aquilo. Nós não dizemos que falamos "brasileiro", dizemos que falamos português. Entre os mais chegados ao conhecimento das Letras, a nossa língua é a língua portuguesa BR (de resto, nem cabe mais haja vista o acordo ortográfico).