Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Ode para o futuro

Vito de Campanella

Tenho pensado no futuro como quem contempla este conhecido quadro surrealista - de figuras duvidosamente humanas e sem cabeça. Tenho procurado nos meus compatriotas e nas organizações a verticalidade de princípios, a racionalidade, a aplicação equitativa das leis, a fraternidade, mas só me ocorre a voz de um grande estudioso, pensador e poeta português magnífico e injustiçado.

Ode para o futuro

Falareis de nós como de um sonho. 
Crepúsculo dourado. Frases calmas. 
Gestos vagarosos. Música suave. 
Pensamento arguto. Subtis sorrisos. 
Paisagens deslizando na distância. 
Éramos livres. Falávamos, sabíamos, 
e amávamos serena e docemente. 

Uma angústia delida, melancólica, 
sobre ela sonhareis. 

E as tempestades, as desordens, gritos, 
violência, escárnio, confusão odienta, 
primaveras morrendo ignoradas 
nas encostas vizinhas, as prisões, 
as mortes, o amor vendido, 
as lágrimas e as lutas, 
o desespero da vida que nos roubam 
- apenas uma angústia melancólica, 
sobre a qual sonhareis a idade de oiro. 

E, em segredo, saudosos, enlevados, 
falareis de nós - de nós! - como de um sonho. 


                                                                                              Jorge de Sena
 





Aqui fica a ODE PARA O FUTURO, dedicada a todos os «piegas» como eu.


12 comentários:

Mel de Carvalho disse...

está nas nossas mão, Ana, não deixarmos que, o futuro, seja apenas "sonho". maior a realidade das coisas e a vontade de um povo que não se verga, se determina e age...

[curiosamente, de forma metafórica, foi da passagem do sonho à realidade que escrevi hoje...]

beijinho Ana, obrigada pela partilha, sua e de Jorge Sena, de quem sou fã incondicional.

bem-haja
Mel

Rogério Pereira disse...

e também por isso

vou estar onde acho que é necessário que se esteja

João da Nova disse...

A verdade não deve estar muito longe… estamos um pouco perdidos e à mercê de outras “marés”, que não a nossa. “Verticalidade de princípios, a racionalidade, a aplicação equitativa das leis e a fraternidade”…Acredito que tudo isso pode bem existir, mas talvez não no nosso corrente estado evolucional.

Grande beijinho

BlueShell disse...

...e como eu...
O futuro faz-se HOJE!
Em cada "passo", em cada decisão...
BJ
BS

São disse...

Obrigada!

Não percamos a esperança: estamos em fim de ciclo, haverá mudanças inevitavelmente.

Bom final de semana, Anita

Andradarte disse...

Também estou no grupo dos 'piegas'...
Bom fim de semana
Beijo

Olinda Melo disse...

excelente poema de Jorge de Sena, para termos presente em todos os nossos passos, uma meditação que se torna urgente, uma forma de contrariar a evolução negativa das coisas...

obrigada, querida Ana, por trazê-lo até nós, lembrando-nos o excelente poeta que é.

bjs

olinda

Fê-blue bird disse...

Amiga:

O quadro de Vito Campanella e o poema de Jorge de Sena já dizem tudo.
Sejamos pois piegas, pois temos o direito de o ser quando nos roubam o futuro.

beijinhos

Margarida disse...

Fenomenal essa "Ode para o Futuro", contudo vejo-me obrigada a subscrever a afirmação do nosso 1º ministro...

Beijinhos,
Sara

Sonhadora disse...

Minha querida

Eu também me candidato ao grupo dos piegas...que o futuro seja hoje.

Um beijinho com carinho
Sonhadora

Bipede Implume disse...

Querida Aninha
Amo de paixão Jorge de Sena.
Só posso estar de acordo.
Boa semana e cuidado com o frio.
Beijinhos
Isabel

Laura disse...

Também entrei no grupo dos ' piegas ' :)