Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

sábado, 24 de novembro de 2012

Hino à Razão


Rapto de Europa, Fresco em Pompeia

Razão, irmã do Amor e da Justiça,
Mais uma vez escuta a minha prece.
É a voz dum coração que te apetece,
Duma alma livre, só a ti submissa.

Por ti é que a poeira movediça
De astros e sóis e mundos permanece;
E é por ti que a virtude prevalece,
E a flor do heroísmo medra e viça.

Por ti, na arena trágica, as nações
Buscam a liberdade, entre os clarões;
E os que olham o futuro e cismam, mudos,

Por ti, podem sofrer e não se abatem,
Mãe de filhos robustos, que combatem
Tendo o teu nome escrito em seus escudos!


Antero de Quental


Desde menina que gosto de decorar poemas de Antero. Há na sua poesia, como na de Herculano, um tom elevado que me atrai profundamente, como se as palavras conservassem ainda o valor do Ideal.
No cinzentismo desde dia e destes tempos, só Antero me inspira ainda, mesmo se lendo notícias por aí as vejo ilustradas assim:


Hélas!

Ana


19 comentários:

Rogério Pereira disse...

Antero
que te quero

(dispensava os bacoritos...)

São disse...

Herculano, sim, tem uma profundidade de sewntimentos incrível . É uma das reservas morais de Portugal, mas será que os nossos cultos e inteligentes políticos o conhecem?

De Antero também aprecio a vida interior e a poesia (mais do que a de Alexandre Herculano); pena ter chegado ao suicídio.

Como o toro é um símbolo fortíssimo em toda a bacia mediterrânica!!

Dorme bem, Aninha

Jorge disse...

Os bacoritos [perdoe-me o amigo RP]
acabam por ser o cerne da questão, embora quem assim os denomina não seja dono da tal RAZÃO. O seu destino é serem abatidos e imolados pelos mercados com sofreguidão.
Um abraço, amiga Ana.

Zilani Célia disse...

OI ANA!
GRATA POR TUA IDA NO "SÓ PRA DIZER".
NÃO CONHEÇO O TRABALHO DE ANTERO QUENTAL", MAS POR ESTE TEXTO POSSO ENTENDER-TE A PREFERÊNCIA.
BOA ESCOLHA.
ABRÇS

zilanicelia.blogspot.com.br/
Click AQUI

Violet disse...


Sim, Ana, sejamos submissos a Razao, ao Amor e a Justica, apenas!

Ao que a actual Europa chegou: um desprezo assassino dos paises ricos pelos caloteiros do sul.

Existem duas Europas dentro da mesma Europa vivendo em mundos diferentes.

Violet disse...


Sim, Ana, sejamos submissos a Razao, ao Amor e a Justica, apenas!

Ao que a actual Europa chegou: um desprezo assassino dos paises ricos pelos caloteiros do sul.

Existem duas Europas dentro da mesma Europa vivendo em mundos diferentes.

Violet disse...


Sim, Ana, sejamos submissos a Razao, ao Amor e a Justica, apenas!

Ao que a actual Europa chegou: um desprezo assassino dos paises ricos pelos caloteiros do sul.

Existem duas Europas dentro da mesma Europa vivendo em mundos diferentes.

Luma Rosa disse...

Preciso ler mais Antero de Quental!
Mas é certo, quem tem amor pelas coisas, não tem amor pelas pessoas.
Bom domingo!! Beijus,

R. Vieira disse...

que bacana Ana!
Também gosto de decorar poesias!
Lindo demais os versos deste poeta. Vou procurar saber mais sobre ele!
Beijos!

Isa Lisboa disse...

Não conhecia este poema de Antero, mas que por vezes as preces à Razão são necessárias, são...

Maria Luisa Adães disse...

Olá Ana

Antero sempre me seduziu

"E o Palácio encantado da ventura".

Nele me baseei num poema escrito há pouco, com o nome de "Quimera"

Abraço, meu amor.

Maria Luísa

Maria Luisa Adães disse...

Ana

Alexandre Herculano também nunca o esqueci e vou dizer porquê :
escuta com paciência.

Tinha, talvez, 10 anos...
O professor de português (muito bom) no inicío das aulas mandou ler uma a uma "A Cruz Mutilada"
e não deixou chegar ninguém ao fim.
Segundo ele, ninguém sabia ler.

Eu fui a última e li "A Cruz Mutilada " até final sem ele me interromper.

No fim me perguntou...
"onde aprendeste a ler?"...

Foi a minha primeira critica literária.

Não dá para esquecer...

Um beijo,

Maria Luísa

Nilson Barcelli disse...

Este soneto do Antero de Quental e soberbo. Falar da razão assim, não é para qualquer um.
Ana , minha querida amiga, tem uma boa semana.
Beijo.

Margarida disse...

Antero de Quental era um homem de convicções fortes. Já há pouca gente desta...

Beijo grande

Mel de Carvalho disse...

Ana, minha, permita-me, estimada amiga,

desde sempre que afirmo a urgência de ler o clássicos e aprender com eles a olhar além dos olhos - essa será, por certo, das mais valias das planícies...

bem haja, sempre, pela fidelidade aos princípios da equidade, do amor e da justiça

Beijo
Mel

Fernando Santos (Chana) disse...

Olá Ana;
Excelente soneto....
Cumprimentos

Bípede Implume disse...

Querida Aninha
É fantástico o poema e nestas alturas também me vou inspirar nos"maiores".
É um refrigério para a alma.
Mas creditas que "eles" sabem ou filosofam àcerca da Razão?
A imagem dos bacoritos,fez-me lembrar um outro poema que também aprendi no liceu. Um dia deste ponho-o no blog.
Boa semana e beijinhos
Isabel

Fê-blue bird disse...

Amiga, são estes HINOS que nos dão a força necessária para resistir neste país de "bacoritos".
Excelente como sempre as tuas escolhas!

beijinhos e bom fim de semana

Maria Luisa Adães disse...

De Antero sempre me impressionou o suicidio e uma poesia de sonho que acalenta o suicidio.

Será que os poetas são suicidas quando chegam ao fim e nada encontram? Será?

Abraço,

Maria Luísa