Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

quinta-feira, 21 de maio de 2009

«Cântico Negro» - a propósito...

Casa Museu José Régio , CM de Portalegre

CÂNTICO NEGRO

"Vem por aqui" --- dizem-me alguns com olhos doces,
Estendendo-me os braços, e seguros
De que seria bom se eu os ouvisse
Quando me dizem: "vem por aqui"!
Eu olho-os com olhos lassos,
(Há, nos meus olhos, ironias e cansaços)
E cruzo os braços,
E nunca vou por ali...

A minha glória é esta:
Criar desumanidade!
Não acompanhar ninguém.
--- Que eu vivo com o mesmo sem-vontade
Com que rasguei o ventre a minha mãe.

Não, não vou por aí! Só vou por onde
Me levam meus próprios passos...

Se ao que busco saber nenhum de vós responde,
Por que me repetis: "vem por aqui"?
Prefiro escorregar nos becos lamacentos,
Redemoinhar aos ventos,
Como farrapos, arrastar os pés sangrentos,
A ir por aí...

Se vim ao mundo, foi
Só para desflorar florestas virgens,
E desenhar meus próprios pés na areia inexplorada!
O mais que faço não vale nada.

Como, pois, sereis vós
Que me dareis machados, ferramentas, e coragem
Para eu derrubar os meus obstáculos?...
Corre, nas vossas veias, sangue velho dos avós,
E vós amais o que é fácil!
Eu amo o Longe e a Miragem,
Amo os abismos, as torrentes, os desertos...

Ide! tendes estradas,
Tendes jardins, tendes canteiros,
Tendes pátrias, tendes tectos,
E tendes regras, e tratados, e filósofos, e sábios.
Eu tenho a minha Loucura!

Levanto-a, como um facho, a arder na noite escura,
E sinto espuma, e sangue, e cânticos nos lábios...

Deus e o Diabo é que me guiam, mais ninguém.
Todos tiveram pai, todos tiveram mãe;
Mas eu, que nunca principio nem acabo,
Nasci do amor que há entre Deus e o Diabo.

Ah, que ninguém me dê piedosas intenções!
Ninguém me peça definições!
Ninguém me diga: "vem por aqui"!
A minha vida é um vendaval que se soltou.
É uma onda que se alevantou.
É um átomo a mais que se animou...
Não sei por onde vou,
Não sei para onde vou,
--- Sei que não vou por aí.

José Régio


3 comentários:

Sara disse...

Estou a ver que o trabalho da Rita "abriu-lhe o apetite"!
Beijinhos

Bipede Implume disse...

Olá minha querida Ana
Também este poema me traz gratas recordações do meu tempo do velho Liceu D.Filipa de Lencastre.
Quando tínhamos as tais "aulas de substituição" algumas professoras ocupavam esse tempo com as alunas a "recitar" poesia. Havia uma, em especial, que recitava este mesmo poema de uma maneira bastante dramática. Um espanto.
O Porto é uma cidade lindíssima. O granito dos seus monumentos dão-lhe um encanto muito especial, tornando-a uma cidade mais parecida com o norte da Europa.
E... agora um comentário muito português; come-se lindamente.
Este fim de semana, se o tempo ajudar, vou jardinar e tratar da micro-horta.
Beijinhos, amiga, e tem um excelente fim de semana.

Cristina disse...

Portalègre, lindo cidade perto deo Crato.Adoro l'alentejano!
Beijinhos.