Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

quinta-feira, 5 de julho de 2012

Ventos de Verão


José Alves

Há este vento que vem do mar e se arrasta peneirando a planície ressequida. Há este povo inerte. Desmesuradas as palavras adormecem-nos na garganta. Dos velhos fonemas já não resultam palavras plenas. A semântica esvaziou-se e ficaram estas formas vazias. Martelam metálicas vozes tendenciosas, misturando poderes, espalhando poeiras que a injustiça assola. Há este povo inerte.
Não me digas da minha rebeldia, não me peças que não entenda estes subtextos tão precários como o dia de hoje. Traz-me o suão, esse é o meu vento de revolta e eu não quero ser inerte como as mentiras destes homens prisioneiros.

Ana

13 comentários:

Bípede Implume disse...

Querida Aninha
Como eu te compreendo e as tuas palavras têm já o calor do vento suão. O que nos está a acontecer é um tsunami tão violento que temo, sinceramente, as consequências.
Beijinho solidário.
Isabel

São disse...

Ai, Ana, que tempos tristes nós vivemos...

Um abraço grande

Rogério Pereira disse...

Suão, vento irmão
Chegará, verás...

Jorge disse...

Temos que renascer e ficarmos muito mais atentos ao que nos rodeia.
Abrs
J

mixtu disse...

o vento que me trouxe
que te levou
e que te fez regressar

num ventinho...

abrazo serrano

cores e outros amores disse...

Uma suave brisa que seja... que nos ajude a respirar sem arfar.
Um beijo

Marina Fligueira disse...

Una poesía envuelta en prosa.
Me ha encantado.

Un beso.

Sonhadora disse...

Minha querida

Que esse vento não venha para ficar.
Como sempre profundo o que escreves.

Um beijinho com carinho
Sonhadora

Nilson Barcelli disse...

Há este povo inerte, na verdade.
Mas os mansos, quando explodem, levam tudo na frente...
Magnífico texto.
Ana, querida amiga, tem um bom fim de semana.
Beijo.

BlueShell disse...

Vim do blog da Leontien...e vi-te lá...
e agora dou com um texto belíssimo...que traduz uma triste realidade...e a revolta é de quase todos nós...
beijo...
BShell

Isa Lisboa disse...

E o Verão ajuda à inércia...
Talvez seja necessário um vento, sim, há tanto que poderia ser mudado...!
Beijos

Fê-blue bird disse...

Há este povo inerte.

Que venha o vento suão minha amiga!

beijinhos e bom domingo

vieira calado disse...

Olá, boa noite!
Problemas vários fazem com que só agora esteja a regressar aos blogs.
Vou ver se a partir de agora sou mais assíduo.
Bom fim de semana para si!