Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

segunda-feira, 10 de junho de 2024

Portugal

 

Monsaraz, Cromeleque do Xerez, 10 de junho


Ó Portugal, se fosses só três sílabas,
linda vista para o mar,
Minho verde, Algarve de cal,
jerico rapando o espinhaço da terra,
surdo e miudinho,
moinho a braços com um vento
testarudo, mas embolado e, afinal, amigo,
se fosses só o sal, o sol, o sul,
o ladino pardal,
o manso boi coloquial,
a rechinante sardinha,
a desancada varina,
o plumitivo ladrilhado de lindos adjetivos,
a muda queixa amendoada
duns olhos pestanítidos,
se fosses só a cegarrega do estio, dos estilos,
o ferrugento cão asmático das praias,
o grilo engaiolado, a grila no lábio,
o calendário na parede, o emblema na lapela,
ó Portugal, se fosses só três sílabas
de plástico, que era mais barato!


Doceiras de Amarante, barristas de Barcelos,
rendeiras de Viana, toureiros da Golegã,
não há “papo-de-anjo” que seja o meu derriço,
galo que cante a cores na minha prateleira,
alvura arrendada para o meu devaneio,
bandarilha que possa enfeitar-me o cachaço.

Portugal: questão que eu tenho comigo mesmo,
golpe até ao osso, fome sem entretém,
perdigueiro marrado e sem narizes, sem perdizes,
rocim engraxado,
feira cabisbaixa,
meu remorso,
meu remorso de todos nós . . .

                                         Alexandre O´Neill

P.S.:ando de novo a cuidar da minha visão.



quarta-feira, 29 de maio de 2024

Sugestão de leitura - da tolerância

 

capa: El Greco, "Vista de Toledo", 1599


    Não é uma novidade literária, mas uma leitura necessária nestes tempos de futilidade e de intolerância.


    " A tempestade desaba sobre a cidade apoiada na rocha. Visão telúrica de uma cidade mítica, fronteira medieval entre a guerra e o sagrado, entre o oOcidente e o Oriente. Foi assim que El Greco a viu, em determinado momento.

    Toledo de 1085. Posto avançado militar da Reconquista cristã em relação ao Islão espanhol. Ilhota de tolerância, ponto alto do saber. Um papel complexo e paradoxal.

    Árabes, Judeus, Castelhanos, Francos, Moçárabes, Mouros conversos...uma população heterogénea coabita numa cidade marcada pelo Islão, pela medina de casas apertadas umas contra as outras, numa rede de ruelas tortuosas. À esquina das ruas, há igrejas que, em vez de campanários têm um minarete..."
    
    Neste cenário, nesta ambivalência, florescem ciências. Sobretudo a arquitectura, a astronomia, a matemática, a filosofia e a medicina passam por um desenvolvimento excepcional, graças aos tradutores e aos sábios que vão revelar à Europa as obras de Euclides, Ptolomeu, Hipócrates, Galeno ou Aristóteles.

    Cidade farol, símbolo de uma relativa tolerância - durante dois séculos, antes da Inquisição católica e da expulsão dos Judeus -, Toledo mostra-nos como, da mistura de culturas, brota o espírito."  ( org. de Carlos Araújo/ org. de Louis de Cardaillac) 



Wikimedia




O que ver em Toledo:





domingo, 19 de maio de 2024

Árvores

 

Suíça, Zurique, 2021


Sem fadiga, as árvores regressam
ao poema. Primeiro as laranjeiras,
a seguir entram as tílias.
Sempre estiveram perto, incapazes
de se afastarem dos pequenos
olhos imensos.
À sombra dos cavalos
podia vê-las chegar carregadas
do seu aroma, dos seus frutos frios.
A tarde chegava ao fim
mas tive tempo ainda
de as sentir, com um sorriso, aproximar.

                               
Eugénio de Andrade, Os Sulcos da Sede, 2001

quinta-feira, 16 de maio de 2024

Os poetas não morrem



                                         (n. Loulé, 14/01/1938 - m. Braga 16/05/2024) - pelo poeta


Saltei os cinquenta e acabo de entrar
Na via do mestre onde não há via nem
Glória para além do pé que pisa

As águas que passam. E vou com elas 

Assim leve nos acasos desta viagem

Sem retorno. Abandonei entre as ervas

Os livros de ouro e as moedas

De prata — o palácio do ser enfim desviado 

Das grandes estradas. O brilho das estrelas

Lembra-me que houve uma infância 
indecifrada.
Tanto melhor. Saltei os anos — 

Libertei-me da casca pouco a pouco 

Acumulada. Que mais desejar? Praias 

Desertas? Beber com a lua? Ouço a doce 

Respiração amada; divido com ela

O belo capital que me resta: estas mãos 

Vazias; velas de um corpo que desliza 

Entre as folhas do outono caídas no chão.

                                             Casimiro de Brito

    Conheci Casimiro de Brito pela mão da minha querida Ana Hatherly. Foi um encontro fugaz que, depois, continuou pelo "Facebook"...partiu hoje de Braga, deixando-nos uma obra extensa (mais de setenta títulos) e diversificada (poesia, conto, ensaio...). 
    É, sem dúvida, um dos maiores poetas portugueses dos séculos XX-XXI.




quarta-feira, 15 de maio de 2024

Não nos sirvam cicuta

 

Cicuta
    


"Sócrates anuncia aeroporto em Alcochete
    O novo aeroporto será construído em Alcochete e a terceira travessia do Tejo entre Chelas e Barreiro combinará comboios com automóveis.
O novo aeroporto de Lisboa vai ser construído na zona do Campo de Tiro de Alcochete, devendo ficar pronto entre 2013 e 2014. A decisão foi anunciada pelo Governo esta quinta-feira, dia 10, em conferência de imprensa, após a reunião do Conselho de Ministros. " (EXPRESSO, 10/01/2008)
Cicuta (Wiki)

"Montenegro anuncia aeroporto, TGV para Madrid e nova ponte sobre o Tejo

    Governo confia que o novo aeroporto de Alcochete, Aeroporto Luís de Camões, terá em 2031 as duas pistas já concluídas e que em 2034 já será possível a ligação em alta velocidade Lisboa-Madrid. Do plano faz parte a terceira ponte sobre o Tejo. O atual aeroporto de Lisboa deixará de existir." (Diário de Notícias, 14/05/2024)

    Num país em as lutas políticas se sobrepõem ao desenvolvimento social, a verdade é uma coisa fluída e, jamais, firme.
    A cicuta, planta comum por todo o território, passa quase sempre despercebida. Por favor, tenham cuidado, meus amigos.
    
Sugestão de leitura:




"Argumentum ornithologicum
    Fecho os olhos e vejo um bando de pássaros. A visão dura um segundo, talvez menos; não sei quantos pássaros vi. Era definido ou indefinido seu número? O problema envolve o da existência de Deus. Se Deus existe, o número é definido, porque Deus sabe quantos pássaros vi. Se Deus não existe, o número é indefinido, porque ninguém conseguiu fazer a conta. Neste caso, vi menos de dez pássaros (digamos) e mais de um, mas não vi nove, oito, sete, seis, cinco, quatro, três ou dois pássaros. Vi um número entre dez e um, que não é nove, oito, sete, seis, cinco, etc. Esse número inteiro é inconcebível; ergo, Deus existe." (pág. 15)

Aqui: