Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

domingo, 17 de outubro de 2021

Plumas de luz

 

V. Kush, Infinity trail

Exacta

crua

felina

pluma de luz


Exacta

nua

ferina

Pluma de luz


Planando no infindo labirinto deste Outono.


Jacek Yerka, Autumn Labyrinth



       (Refém do trabalho, irei visitando os @migos. Para todos, um doce Outono, ou Primavera...).

sexta-feira, 10 de setembro de 2021

No fio do tempo

 

Mankthi, Shamsia Hassani, artista afegã

É ainda o Verão. Dias quentes feitos de partidas e de chegadas, de retornos fugazes a que o excesso de luz queima as pontas, como a mariposas descuidadas. Alguns dramas, muitas alegrias. Partidas sem retorno e reencontros melífluos.
Há fugas e cobardias, recomeçam guerras. A religião, como desculpa para a maldade dos homens, envenena e o dinheiro das armas corrompe...inocentes nasceram anónimos em lugares de fogo. Sangue ou choro, que faz a Humanidade? Espartilha e separa.

Alto Minho, Agosto, 2021

Outra vez o Minho, agora sem nortada, quente e húmido como um ventre criador que não se quer separar da sua cria. Superstições na memória colectiva, rituais de tribo que haveremos de cumprir, contrafeitos mas obedientes. Eu, que não sou de tribos, observo indiferente - são décadas de hábito. Sejam felizes! Estejam satisfeitos.

Opernhaus (ópera), Zurique, 2021


Outra vez Zurique, doce esvoaçar do Amor. Plena, a vida, enche-se de sentido. O sorriso de Madalena traz promessas de futuro. A felicidade veio instalar-se aqui e temos de lhe trazer os nossos peitos abertos. Galgados os Pirenéus, ultrapassados os Alpes...olhamo-nos em silêncio, olhos nos olhos, sentados no Largo da ópera, temos o mais intenso brilho destes tantos milionários que caminham para a Bahnhofstrasse. Tanta coisa já nos é familiar, até o preço deste café que ousámos beber.

Quintas, Schlieren - 2021

Subamos às quintas, ali onde em 11 minutos a cidade abraça o campo, tudo se torna idílico e percebemos a civilidade com que se trata a natureza neste lugar. Sim, rodearmo-nos de cimento e de periferias engaioladas, há muito  que nos atirou para a retaguarda. José não resiste às compras e vai retirando e pagando os ovos, a fruta...sem vendedor. Um elogio à confiança! Os bens alimentares custam parcas moedas. Em breve voaremos para um lugar que se aqui viesse se espantaria.

Alvor, 2021


E lá está o Infante, no seu promontório olhando do passado. Ali, na curva do mar! Enquanto caminho pelos passadiços, adivinho o rumor das naus aportando ao Futuro.

Agora, atravesso o parque, no lugar de sempre, sonhando com lugares na memória.


Ana

domingo, 15 de agosto de 2021

Quando desço...



Zurique, Agosto - 2021



Quando desço ao país dos lagos
encho o peito de sonhos,
de afagos,
do fulgor de um dia que finda.
E do halo que exala das florestas...
qual Ícaro que sobe vigoroso,
ainda,
sobre o glaciar dos ideais em flor,
subo 
ou desço 
nas arestas do Amor!

Ana

 

Suíça, Agosto - 2021

quarta-feira, 4 de agosto de 2021

A Luz que Vem das Pedras


Alentejo, 2020


A luz que vem das pedras, do íntimo da pedra,
tu a colhes, mulher, a distribuis
tão generosa e à janela do mundo.
O sal do mar percorre a tua língua;
não são de mais em ti as coisas mais.
Melhor que tudo, o voo dos insectos,
o ritmo nocturno do girar dos bichos,
a chave do momento em que começa o canto
da ave ou da cigarra
— a mão que tal comanda no mesmo gesto fere
a corda do que em ti faz acordar
os olhos densos de cada dia um só.
Quem está salvando nesta respiração
boca a boca real com o universo?

                                                                     Pedro Tamen, in Agora, Estar



quarta-feira, 28 de julho de 2021

Quando a sua existência pertence ao futuro

 

Médio Oriente, 2019

Já andei por muitos lugares e não procurei neles o verniz retocado das agências de viagens. Assumo o gosto pela geografia que se banha no Mediterrânio. Talvez só esse seja o traço comum da minha busca de uma identidade feita de misturas e de incógnitas.
Vem isto a despropósito dos ataques sucessivos que este blogue tem sofrido, em longos comentários que me incitam também a longas bibliografias, feitos em nome de movimentos, ditos, pós-humanistas. O meu perfil de blogger assumido como humanista poderá ser o desafio...
Estes movimentos não são novos - configuram novos fascismos -  e uma qualquer página wikipédia serve de alerta aos meus amigos que passem pelo mesmo. 

Médio Oriente, 2019

A tecnologia e a inteligência artificial devem ter as dimensões do olhar humano, pois este as criou, ainda que nem sempre com a melhor das intenções - motivo supremo para eu continuar humanista e acreditar que os valores humanos, esses, é que não se poderão perder! A verdadeira revolução acontece na construção do homem, na sua dignidade, verdade, fraternidade e sentido de justiça.

Médio Oriente, 2019

Quando observava este cemitério destruído pela guerra, num território que três ou quatro povos reclamam como seu e com os montes Golã no horizonte, vi que o único túmulo preservado guardava um apelido português - «Dr. Martins». E, na distância, para lá das colinas, a Síria banhava-se (banha-se ainda) no sangue dos homens...


Médio Oriente, 2019

Quando, na manhã seguinte, observei melhor vi o túmulo do sábio cuja estátua enfeita, também, a cidade espanhola de Córdova (onde nasceu) - Maiomonides, sábio do Al Andaluz. 
E, antes que sionistas e antissemitas resolvam plasmar aqui os seus ódios e crenças, sempre vos digo que me senti bem: sim, o humanismo é essa universal força dos valores e da sabedoria humana que nos irmana, fraternalmente!
O Homem é, ainda, a esperança do Homem!

Ana


sábado, 17 de julho de 2021

Velhos lugares

 

Alto Minho, Julho - 2021

Outra vez o Minho. Velhos lugares de um verde húmido e de um calor transpirado. Situações insolúveis mergulhadas numa beleza que nos distrai da realidade circundante. Daqui, partiram os jovens. Aqui permanecem alguns, todavia. Intemporais personagens de Agustina Bessa Luís...moldadas nas páginas de A Sibila.


Alto Minho, Julho - 2021


Talvez Zé do Telhado percorra estes caminhos, abrigado pelo manto da noite. Talvez mulheres solitárias lhe facultem a entrada e o abriguem. Partirá aos alvores da madrugada, como uma sombra que passa... Talvez Quina habite a velha casa de sobrado, agora, reconstruída!



Alto Minho, Julho - 2021

E, sendo tudo tão ilusório, amanhã o vento será nortada e o frio assolará o dia, gélido e granítico. Vacilarão ou gritarão os rumores da folhagem estival e os homens, acossados e medrosos, reinventarão reinícios que soam a desnortes...

Ana 

domingo, 27 de junho de 2021

Junho

 

Alto Alentejo, Junho 2021



Caminho e ouço o som dos meus próprios passos sobre a areia solta e quente. Terra ancestral, desde quando por aqui caminham humanos como eu? O calor chegou, sem que eu me tenha apercebido, respiração ofegante do Sul! 

Os dias correm. O tempo foge. Preciso deste caminhar penoso sob um Sol inclemente que avermelha a minha pele excessivamente clara para ser este o meu lugar de origem - porém, assim é.

Quero apanhar este ritmo sereno que escorre dos dias longuíssimos de luz sem pudor.


Ana


domingo, 20 de junho de 2021

Houve...

 

Ana, 2021


Houve nascentes e poentes. Dias arrebatados pela friagem e calores sufocantes na estiagem dos dias. Morreram conhecidos, o Alzheimer esvaziou o olhar de familiar muito próxima, zarpei ao Minho, subi a Zurique e perdi-me de Amor pela minha neta Madalena. 
Esgotei os dias no trabalho. Confinei alunos sucessivamente...«Zoomei» quase diariamente e em intermináveis reuniões esqueci-me deste Sul sereno onde o arrebol sempre desenha os sonhos dos homens.
Houve inícios e fins. Afoguei-me no espanto da insensatez humana.
Agora, regresso, tentando pôr freio nos dias.

Ana


segunda-feira, 24 de maio de 2021

Madalena

 


Após uma noite em claro, a Madalena chegou com o raiar do dia 22 de Maio. Esperança sublime de uma nova vida.
Estamos muito felizes e queremos partilhar com os amigos este acontecimento maravilhoso.

A partir de agora, sou oficialmente AVÓ!

domingo, 2 de maio de 2021

Gera

 

Gustav Klimt


Sussurram os poetas

inquietos, libertos...

Murmuram os profetas

serenos, ascetas...


O Amor tão puro

cerzido de hinos!

O Amor tão puro

de sermos meninos!


O colo, o seio, o calor

Murmuram os profetas.

O ventre, o regaço, o Amor

Sussurram os poetas...


Ana


domingo, 25 de abril de 2021

Com Fúria e Raiva

 

                                                           

Fonte: https://www.abrilabril.pt

                                                   

Com fúria e raiva acuso o demagogo                                            

E o seu capitalismo das palavras

 

Pois é preciso saber que a palavra é sagrada

Que de longe muito longe um povo a trouxe

E nela pôs sua alma confiada

 

De longe muito longe desde o início

O homem soube de si pela palavra

E nomeou a pedra a flor a água

E tudo emergiu porque ele disse

 

Com fúria e raiva acuso o demagogo

Que se promove à sombra da palavra

E da palavra faz poder e jogo

E transforma as palavras em moeda

Como se fez com o trigo e com a terra


1977. Sophia de Mello Breyner Andresen, O Nome das Coisas,

Moraes Editores

domingo, 18 de abril de 2021

Presencial

 


Médio Oriente, José Alves - 2019



« Queria ter a profundidade dos peixes

E a liberdade dos homens»,

 Daniel Faria, O livro do Joaquim, ed. Quási, pág.71


Em qualquer situação o olhar paira sobre as flores, nelas nos detemos para continuar a jornada, elas nos incentivam a caminhada sobre um tempo dividido, sob um Sol abrasador. Há um vento de que não localizo a origem: bafo incendiado do deserto ou sopro indeterminado de um mar sempre próximo?

A memória é o espaço que habito. Páginas que se avolumam e respiram a temeridade dos dias. A sensação de que em qualquer lugar é o meu lugar. Uma empatia serena por cada ser...o meu território íntimo não é uma terra disputada ou talvez no meu sangue corra a diáspora.


(Cá de casa)


Amanhã, o amanhecer será mais suave. Regresso emotivo ao espaço dos sonhos futuros que lerei em cada olhar. E, alguns, a isto chamam trabalho dos dias. Não! São pontes para o Futuro...


Ana


domingo, 4 de abril de 2021

O lugar onde sempre estamos certos


Jerusalém, 2019 (José Alves)

Do lugar onde sempre estamos certos

nunca brotarão

flores na primavera.

 

O lugar onde sempre estamos certos

é batido e duro

como um pátio.

 

Mas dúvidas e amores

esfarelam o mundo

como uma toupeira, um arado.

 

E um murmúrio será ouvido no lugar

onde havia uma casa —

destruída.

 

Yehuda Amichai, Terra e paz – antologia poética, tradução Moacir Amâncio

Original:



domingo, 28 de março de 2021

Ágil

 

Blanca Alvarez

A palavra ágil dobra-se
recobra o alento
esgueira-se
saltita na rua estreita
e dança.

A palavra tão doce
abraça e ilumina
frágil no vento
estreita-se
e fulmina!

Ana



sábado, 13 de março de 2021

É tecido

 

Rising Sun on the Plaza , Giorgio de Chirico, 1976, WikiArt


O silêncio é tecido

de finos fios e labor

de dias

O silêncio é tecido

de rotinas e de amor

nos dias


Não te iludas nesta luz

incandescente e quente

dos dias

Não te iludas nesta luz

Algures espreita o censor

dos dias


Ana


quarta-feira, 3 de março de 2021

Vertigem


Vladimir Kush


É este silêncio de dias plenos

É o rumor do tempo que corre

E o frio fechado no coração

Dos homens!

As vidraças estilhaçadas

Na vertigem de dias plenos

E as forças renovadas...

Dos homens!

É o grito incendiado que fulmina

O arrebol do tempo renovado 

E o frio fechado no coração

Dos homens!


Ana


quarta-feira, 17 de fevereiro de 2021

E@D

 

Rob Gonsalves


TEMPO

 

Tempo — definição da angústia.

Pudesse ao menos eu agrilhoar-te

Ao coração pulsátil dum poema!

Era o devir eterno em harmonia.

Mas foges das vogais, como a frescura

Da tinta com que escrevo.

Fica apenas a tua negra sombra:

— O passado,

Amargura maior, fotografada.

 

Tempo…

E não haver nada,

Ninguém,

Uma alma penada

Que estrangule a ampulheta duma vez!

 

Que realize o crime e a perfeição

De cortar aquele fio movediço

De areia

Que nenhum tecelão

É capaz de tecer na sua teia!

 

Miguel Torga, Cântico do Homem, Coimbra editora, p.p. 51-52


Muito devagar, muito devagar...que agora os dias do Ensino à distância nos maceram o olhar, difícil é chegar até este Sul. Muito lentamente irei saldando a minha dívida de visitas às páginas amigas.

                                                                Saúde!


terça-feira, 26 de janeiro de 2021

São os tempos!

 

Alto Alentejo, Janeiro 2021

Quebro o gelo, com uma passada larga. Conheço o desenho de cada passo, pois em cada dia repito esta passagem. O parque amanhece e carrega-se da renovada esperança de mais um dia que desponta. A luz limpa é um logro. A friagem desceu do zero e ela lê melhor a realidade.
Caeiro falar-te-ia do «cubo da sensação», mas eu falo-te deste animal do Sul e do Sol que sente o desconforto do gelo.

Alto Alentejo, Janeiro 2021

Podes imaginar a samarra verde, a pele pálida, a máscara ironicamente aconchegante nesta alba...só não sabes do calor íntimo e revoltado. Ah! Não sabes como a injustiça revolta! Como a intempérie é, talvez, necessária e urgente...
Não culpes este chão. Ele conhece os tiranos que o pisaram. Não culpes este chão!

Alto Alentejo, Janeiro 2021

A intempérie chegará! Os sonhos jorrarão como esta água, a cântaros...e lavarão os rios que secaram no Verão. 
Não bramas, aturdindo a ignorância, pois dela se constroem as grades. Só as vozes não se aprisionam, só o sopro íntimo erguerá a obra. Amainará a chuvada. 

Alto Alentejo, Janeiro 2021

Caminho no parque, sob a chuva que fustiga, com uma passada larga. 
Do lado de lá o infindável trabalho dos dias: arremessar sementes ao Futuro em salas plenas de esperança!
Não culpes este chão!



segunda-feira, 18 de janeiro de 2021

E...as festas acabaram.

 

De volta...

José


E agora, José?

A festa acabou,

a luz apagou,

o povo sumiu,

a noite esfriou,

e agora, José?

e agora, você?

você que é sem nome,

que zomba dos outros,

você que faz versos,

que ama, protesta?

e agora, José?

 

Está sem mulher,

está sem discurso,

está sem carinho,

já não pode beber,

já não pode fumar,

cuspir já não pode,

a noite esfriou,

o dia não veio,

o bonde não veio,

o riso não veio,

não veio a utopia

e tudo acabou

e tudo fugiu

e tudo mofou,

e agora, José?

 

E agora, José?

Sua doce palavra,

seu instante de febre,

sua gula e jejum,

sua biblioteca,

sua lavra de ouro,

seu terno de vidro,

sua incoerência,

seu ódio — e agora?

 

Com a chave na mão

quer abrir a porta,

não existe porta;

quer morrer no mar,

mas o mar secou;

quer ir para Minas,

Minas não há mais.

José, e agora?

 

Se você gritasse,

se você gemesse,

se você tocasse

a valsa vienense,

se você dormisse,

se você cansasse,

se você morresse...

Mas você não morre,

você é duro, José!

 

Sozinho no escuro

qual bicho-do-mato,

sem teogonia,

sem parede nua

para se encostar,

sem cavalo preto

que fuja a galope,

você marcha, José!

José, para onde?



Carlos Drummond de Andrade