Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

domingo, 18 de abril de 2021

Presencial

 


Médio Oriente, José Alves - 2019



« Queria ter a profundidade dos peixes

E a liberdade dos homens»,

 Daniel Faria, O livro do Joaquim, ed. Quási, pág.71


Em qualquer situação o olhar paira sobre as flores, nelas nos detemos para continuar a jornada, elas nos incentivam a caminhada sobre um tempo dividido, sob um Sol abrasador. Há um vento de que não localizo a origem: bafo incendiado do deserto ou sopro indeterminado de um mar sempre próximo?

A memória é o espaço que habito. Páginas que se avolumam e respiram a temeridade dos dias. A sensação de que em qualquer lugar é o meu lugar. Uma empatia serena por cada ser...o meu território íntimo não é uma terra disputada ou talvez no meu sangue corra a diáspora.


(Cá de casa)


Amanhã, o amanhecer será mais suave. Regresso emotivo ao espaço dos sonhos futuros que lerei em cada olhar. E, alguns, a isto chamam trabalho dos dias. Não! São pontes para o Futuro...


Ana


20 comentários:

J.P. Alexander disse...

Bella entrada tan profunda y con esperanza. Te mando un beso

Maria João Brito de Sousa disse...

E que pontes se constroem sem trabalho, Ana?

Perdoe-me o atrevimento claramente suscitado pelo final do seu belo texto poético.

Forte abraço!

chica disse...

Tão lindas as fotos e palvras bem alentadoras e esperançosas!
Adorei!
Ótima semana!
beijos, chica

Graça Pires disse...

Ler em cada olhar os sonhos futuros. O teu ofício não te deixa ver de outra forma o trabalho dos dias.
Sim, no teu sangue deve correr a diáspora. Magnífico texto!
Cuida-te bem.
Uma boa semana.
Um beijo.

Mar Arável disse...

As pontes que se vergam são sempre de passagem
mas transportam rios
sombras e luminosidades

Bj

Elvira Carvalho disse...

Belíssimas fotos Ana. A ilustrar um texto que por si só já era muito belo. O trabalho dos dias, de quem ensina a usar as ferramentas para construir essas pontes.
Abraço, saúde e boa semana

Olinda Melo disse...


Belas as imagens de José Alves a ilustrar
este texto que nos traz a esperança de um
"amanhecer mais suave" em cada olhar.

Beijinhos
Olinda

São disse...

Quem aprende contigo tem uma sorte imensa!!

A tua paixão nota-se sempre.

As fotos estão lindas, o texto ainda mais.

Estreito abraço, Aninhas.

Tudo de bom.

© Piedade Araújo Sol disse...

Ana

Uma prosa poética emotiva e bela.Adorei!
Gostei muito das imagens.
Obrigada pela visita.
Boa semana com paz e saúde.
Beijinhos
:)

Luiz Gomes disse...

Boa tarde Ana. Obrigado pelas imagens e lições especiais.

Fá menor disse...

Tão deliciosas palavras!
E belas imagens!
Que as flores, todas elas, nos motivem sempre!

Beijinhos.

Manuel Veiga disse...

palavras luminosas e fecundas!
quem assim diz tem a melhor profissão do Mundo

Beijo

Megy Maia disse...

Que palavras encantadoras, Ana!
Emocionada!
Um grande beijinho
Megy Maia!❤👄❤

Fê blue bird disse...

Ana,
São essas pontes para o futuro que te/nos fazem seguir em frente!
Força!

Um beijinho solidário e amigo

Tanza Erlambang disse...

text and photo are beautiful...

have a wonderful day

A.S. disse...

Gostei muito!
A capacidade de fazer pontes para o futuro,
talvez seja a grande resposta que a humanidade precisa!

Boas saúde e um abraço, Ana!

silvioafonso disse...

Nada há de mais lindo. Parabéns, natureza.
Um beijo pra vc, minha amiga.

Jaime Portela disse...

E todos devemos ser obreiros dessas pontes para o futuro.
Magnífico texto, gostei muito.
Bom fim de semana, querida amiga Ana.
Beijo.

Majo Dutra disse...

Que o regresso tenha sido realmente muito agradável...
As tuas flores são lindas e, sem dúvida, animadoras.
Foi um prazer ler-te, querida amiga, engenheira de pontes para o futuro...
Grata por estes bons momentos. Beijinhos
~~~

As Mulheres 4estacoes disse...

Olá, Ana!

Que a gente não perca a capacidade de sonhar em construir pontes. Pontes que encurtam os caminhos e possam unir a humanidade.

Um abraço
Sônia