Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

quinta-feira, 29 de março de 2018

O peso da água


Monforte, Alto Alentejo


Foram as águas
Alagaram o rumor quieto da planura
Foram as águas
Cresceram na pureza e na bravura
Foram as águas
Madre quieta na dureza e na alvura

Purificaram o coração dos homens
Lavaram o caos e levaram o terror
Foram as águas


Ana


18 comentários:

Rogério G.V. Pereira disse...

Do Alentejo
tenho um pouco
na alma
e no corpo

(digo de mim,
meu sangue mouro)

venero a água
da nuvem
à lágrima

e tenho por reza
um rio
em que a água passa
em pequeno fio

Mar Arável disse...

Água é vida
Bj

Majo Dutra disse...

Quando era menina, havia uma cançoneta que dizia
«a água lava tudo...» Infelizmente não é assim...
Porém, águas são uma alegria em épocas de grande
privação e há povos que vivem anualmente essa
aflição, como os povos do nordeste brasileiro.
Dias de paz...
Abraço grande
~~~~~~~~

Victor Barão disse...

Olá, boa noite, estimada Ana Tapadas

É sempre um prazer e uma inspiração voltar a este Rara Avis. De resto este é um dos casos em que tenho orgulho de poder dizer que sigo o Rara Avis, prioritária e mesmo independentemente face à honrosa participação da Ana no meu próprio blogue.

Por isso, após uma minha relativamente longa ausência aqui do Blogger, ao revisitar o Rara Avis, com extensão às transactas publicações que aqui perdi a seu devido tempo e que agora visitei condensadamente num momento, limito-me a não menos condensadamente dizer:

Obrigado por estar desse outro lado, de tão inspiradora e elevada forma!

Beijo, com votos de Feliz Páscoa

Fá menor disse...

Que as Águas possam lavar os corações.

Votos de uma feliz e Santa Páscoa, amiga!

Beijinhos.

Raquel disse...

Que lindo poema, das águas, que lavam, e com as suas correntes que levam, que renovam constantemente. :) Beijinhos, Boa Páscoa!

Graça Pires disse...

As águas. O Alentejo tão carente delas. "Lavaram o caos e levaram o terror". Muito belo, Ana.
Uma Páscoa cheia de bons momentos.
Um beijo.

SILO LÍRICO - Poemas, Contos, Crônicas e outros textos literários. disse...

Bela postagem! Parabéns!
FELIZ PÁSCOA
Autor: Laerte Sílvio Tavares

Que a luz da ressurreição
De Cristo Nosso Senhor
Brilhe no teu coração
E se refrate em amor,

Permeando a tradição
De fé, a dar esplendor
Às festas pascoais que são
Frutos da Paixão e dor

Transformadas em alegria
De Madalena, Maria
E de toda a humanidade!

Feliz Páscoa, pela via
Do amor – nossa luz e guia
Na fé e na caridade!

Tudo de bom. Abraço. Laerte.


Majo Dutra disse...

Tem um domingo muito agradável, querida Amiga.
Abraço grande,
~~~~

CÉU disse...

Olá, querida Ana!

Eu não te disse, k haverias de escrever sobre as águas, a chuva, que já me parece ser já suficiente.

Um poema mto bonito, calmo e que exprime os teus sentires, felizes, acho eu.

Beijinhos para ti e para a tua mãe e um dia de Páscoa com alegria.

Olinda Melo disse...


Querida Ana


A chuva a cair, o barulho no telhado,
o rumor das águas nos regatos, a alagar
os campos...tudo um encantamento.

FELIZ PÁSCOA!

Beijinhos

Olinda

rosa-branca disse...

Foram as águas e são um deleite para a natureza e para todos os seres vivos. Serão sempre as águas salgadas ou não, que nos lavam por fora e secam o coração. Adorei o poema. Beijinhos com carinho

Lu Dantas disse...

Que lindo, Ana. O poema me levou como as águas que correm nas tormentas e que andam mansas na calmaria! ;)

beijos!!

https://ludantasmusica.blogspot.com.br

Jaime Portela disse...

A agua é vida, sem ela tudo morre...
Excelente poema, parabéns.
Continuação de boa semana, amiga Ana.
Beijo.

Mariazita disse...

As águas, que por aqui correm com fartura, hoje.
Tantas vezes em falta, tantas vezes em excesso... mas sempre cumprindo a sua missão - a purificação dos lugares por onde passam.
E tantas vezes nos purificam a alma!

Muito lindo, o poema. Eu ADORO água.

Bom Fim-de-semana
Beijinhos
MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

Acrescenta Um Ponto ao Conto disse...

Agua, fonte de vida.

Convidamos a ler o capítulo VIII do nosso conto escrito a várias mãos "Voar Sem Asas"
https://contospartilhados.blogspot.pt/2018/04/voar-sem-asas-capitulo-viii.html

Saudações literárias!

O Puma disse...

... entretanto Lula vitima de golpe

Manuel Veiga disse...

as águas também corrompem.
há que saber separar águas.

o poema é muito belo

beijo